segunda-feira, 19 de maio de 2008

NA SAÚDE E NA DOENÇA?


Caros torcedores esmeraldinos,

Acalmai-vos! A gravidade está aí para provar que a queda é o começo de tudo, mas o desespero, digo eu, é a pior das cabíveis soluções.

Cobrar é permitido. Acho até ser um dos maiores de vossos papéis. Mas crítica por crítica não vale. E vocês, que tanto clamam por justiça, lançando ao ar livre beija-flores estampados em notas de um real, sejam também justiceiros, pois Harlei é o menor dos culpados por essa algoz e, aparentemente, interminável crise.

Dizer que não estou em defesa do, há tempos, camisa um esmeraldino, seria assumir meu lado hipócrita. Mas se defendo é porque acredito em sua inocência. Primeiro porque tenho memória (coisa que muitos de vocês parecem ter perdido!). Segundo porque, apesar da fama, ninguém nunca provou ser mesmo ele o grande vilão que esquenta a fática panela esmeraldina.

Time é conjunto. E por mais que um tomate (“Hey Monara” - diz minha consciência – “coloque abacate para que a cor não se associe ao rival do referido time. Muitos torcedores vão lhe tachar de maliciosa, coisa que você não é!”), digo, abacate podre possa infectar todo o resto do balaio, não creio ter Harlei tamanha autoridade para envolver até os próprios produtores do fruto. Ou alguém duvida que se no bastidores ele tivesse mesmo tanta influencia, já não teria recebido o glamouroso convite de deixar o clube, como recebeu, por exemplo, Alex Dias?

Tudo tem seu preço. Ser líder então, é ver inflacionada tudo quanto é verba. Mesmo escolhendo o Goiás para dedicar metade de sua carreira (coisa rara hoje em dia), mesmo recusando melhores remunerações em outros escretes, e o mais importante, mesmo dando em campo o máximo de si, as pessoas desvalorizam a história simplesmente porque apontar um culpado é bem mais cômodo que culpar a pessoa, ou melhor, as pessoas certas.

Se cobrar é um de vossos papéis, apoiar é obrigação. Isso sim dá resultado. Vejam o exemplo dos porcos palmeirenses que na época dos homéricos frangos do camisa um Marcos (Harlei nem a esse ponto chegou), foram mais limpos que qualquer periquito e o ampararam! Tanto gritaram seu nome que hoje está aí, sendo novamente um dos melhores goleiros do futebol nacional.

O problema é que vocês querem milagres. E milagres só são assim chamados por serem raros, infreqüentes. Nem Gordon Banks defenderia duas vezes aquela antológica cabeça de Pelé. E isso, vocês precisam aceitar. Assim como precisam entender que a desgraça alheia pode tornar-se vossa. E é por isso que a voz do povo nem sempre será a voz de Deus. Assim eu espero!

6 comentários:

Thaís Franco disse...

Bom, primeiramente quero te dar os parabéns, PARABÉNS mesmo por dizer coisas tão sensatas aqui nesse blog como disse agora, nesse comentário!
É ridículo, simplesmente pífio, um dia, quando o goiás está bem, na liderança de algum campeonato, a torcida aos gritos ovacionar o Harlei no início, no meio e no fim do jogo, e agora, que o verdão está em crise, culpá-lo de tudo, e vaiá-lo o tempo todo!
Está errado! Está erradísimo!
Eu também como torcedora esmeraldina já joguei pragas e maldições sobre ele, quando eu vi 1,2,3,4 bolas do time alvinegro entrar no gol do harlei...mas poxa, é preciso ter memória!!
Quantas vezes ele já salvou o verdão?! E como você mesma disse Monara, ele sim, dá tudo pela Goiás. Com certeza é muito bem recompensado por isso, mas tem gente ali que é bem mais recompensado que ele, e no entanto, não oferece nada ao clube!!
O Goiás daqui uns dias muda de nome: H.P.E.C !

Abraço Monara!

SOLOWICH ATLETICANO disse...

A culpa da situação é da diretoria do time verde.

Um ano não tem diretor de futebol, não tem coordenação coerente e tudo anda "à Deus dará"!
No outro ano a mudança é brusca, o regime passa a ser rigoroso.
Não lubrificaram antes, taí o resultado!

A torcida escolheu o Harlei para "boi de piranha" porque é ligado à diretoria e aos medalhões do elenco esmeraldino!

Mas, apesar de não torcer por este time, vejo que tem que manter a postura de correção perante ao elenco, e não permitir a "anarquia" dos jogadores.

Larissa Rodrigues disse...

Volto mais uma vez no assunto tradição:
é muito fácil torcer para um time na hora que ele está ganhando... o foda é estar ao seu lado nos piores momentos!

Não estou de maneira alguma querendo justificar os maus resultados esmeraldinos, além do mais isso nem m interessa, só sei que não será dessa forma que o goías se reerguera

torcida é como uma mãe.. cobra, briga, instiga, MAS TEM DE ESTAR ALI PRO QUE DER E VIER!

Não quero puxar o peixe para o meu lado! Mas que fique bem claro que os atléticanos são aqueles da "velha campininha".. de cabeça branca... que sempre estiveram ali!

e a próposito Dona Thaís... alguem me disse domingo que a torcida estava massa provando que não seria um gol que mudaria nada!

muda de lado fácil hein... hehe

muda pro dragão que dá masi lucro!
Torcida é amor!
Uma mãe ama um filho onde quer q ele esteja, e semrpe acredita em um futuro melhor!

Vinícius disse...

Como eu te disse ontem... o Harlei não merece tamanha condenação... mas há tempos ele não faz mais A DIFERENÇA... porém o Goiás nunca conseguirá ter um goleiro melhor que ele...

7:20 da manhã
levei as crianças na escola e agorinha estou indo ficar com minha mãe
beijo minha linda!

Thaís Franco disse...

Só respondendo pra "Dona Larissa"...

Minah querida, eu só estou defendendo O Harlei!! E eu achei massa sim domingo, mas a crítica contra a diretoria!! O podre está ali...
A torcida peca muito quando tenta culpar o Harlei...
Lê novamente meu outro comentário, acho que ele está bem claro!
E quanto ao convite, obrigada! Eu sou feliz por ser Goiás, e serei até morrer!! De que vale a tradição?! Tradição não ganah títulos...


Monara, obrigada pelo espaço, e desculpa o desabafo!!!

idmrb disse...

Como assim? O que tá rolando aí no Goiás e.c.? Pq tão querendo pegar o Harlei pra cristo nessa crise? O Caio Jr. nao saiu queimado daí não?


Em tempo, me amarrei no tratamento aos palmeirenses! São PORCOS mesmo! PORCOS! Porcos palmeirenses daria na mesma que palmeirenses porcos??? hauihauiahuiaha