terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

PARADINHA NÃO PARA




Pra muitos, arte. Pra outros, paradinha. Alguns denominaram paradão. Nomes a parte, o gol de Neymar no clássico diante do São Paulo parou espectadores e críticos, que dividem opiniões sobre o recurso utilizado nas cobranças de pênalti.

O adversário, claro, não gostou nem um pouco. Rogério Ceni, dessa vez, deixou falar mais alto o goleiro do que o exímio cobrador de faltas e penalidades máximas que é. Ele, que por várias vezes se utilizou da paradinha, foi o primeiro a questionar o gol de Neymar. Logo após a partida, pediu ao atacante santista que aproveitasse, pois só no Brasil ele poderia fazer o que fez.

Quem concordou foi Kaká, que por meio de seu twitter, confirmou que esse tipo de jogada não é aceita na Europa, possível destino de Neymar.

A proibição ainda não faz parte das regras do futebol, mas muito em breve deve ser oficializada pela Fifa. No final do ano passado, o presidente da instituição, Joseph Blatter, disse que se trata de uma infração e que o árbitro deve punir com cartão amarelo o jogador que se utilizar do recurso.

A paradinha já foi tema de reunião da International Board, órgão que regulamenta as regras do futebol. Mas, como ainda não se trata de algo ilegal, pelo menos por aqui, só resta aos goleiros seguir a tendência e PARAR... de reclamar, pular nos cantos, saltar antes da hora e, enfim, usar criatividade, capacidade de previsão e talento para rebater a surpresa!

Um comentário:

Éder dos Santos "O Silva" disse...

Não existia polêmica até o São Paulo e o seu semi-deus Rogerio Ceni se sentirem ofendidos com uma paradinha e um golaaaaaaaaaço de letra.

Mas como tudo que não é europeu no futebol é ilegal, a paradinha está com os dias contados.