terça-feira, 17 de junho de 2008

ANJO SEM ASA, EXISTE?


O apocalipse trouxe a gravidade, que chegou infernizando a Serrinha. De repente, tudo caiu: técnico, diretor técnico, auxiliares, preparador físico, entre outros por muitos intolerados. Segundo bocas satânicas, esse seria apenas o começo. Mas um anjo parece estar a caminho para trazer a salvação e, conforme os princípios divinos, reestabelecer a paz no lugar.

Seu nome não é João, tampouco Gabriel. É Hélio! Envolto em seu sagrado manto verde, ele já conseguiu vários milagres e vitoriosas admoestações. Entre eles, dois Campeonatos Goiano, uma Copa Centro Oeste e o inesquecível acesso ao lugar mais alto do futebol brasileiro: a celestial Série A.

Se a Série C é o inferno, a B é o purgatório. E por lá Hélio já passou. As glórias conquistadas depois do julgamento levam a crer que injusto seria fazê-lo passar por tudo aquilo novamente. Mas os 15 longos meses em que ele passou na terra de Alá deixaram Deus desconfiado e, por isso, Hélio fora mais uma vez destinado a essa ponderação.

As dificuldades para o cumprimento da profecia, dessa vez, são bem maiores. As regras, contudo, praticamente não mudaram. A primeira relaciona-se a carne, ao físico. Resume-se à condução de um bando de pecadores, digo, jogadores, ao desenvolvimento de melhores condutas técnicas dentro de um retângulo 118 x 80m. Já a segunda, mais voltada para o espírito, para as questões éticas e morais, exige a quebra, se não me engano, de um caldeirão, que vem evaporando a água benta lá deixada pelo Senhor.

A segunda tem uma penitencia maior, já que, de acordo com o próprio Deus, é ela que vem impedindo a glorificação da primeira. Mesmo assim, um meio termo alcançado por Helio já o livra do temeroso juízo final.

Se, por um lado, assusta-me a prostituição dos cordeiros ante as tentações do mundo moderno, por outro, animam-me a dádiva, o talento e a alegria com que Hélio se dispôs a encarar o novo desafio. Ontem mesmo consegui ouvir sua voz. Vinha de longe, muito longe, mas eu bem escutei ele dizer: "Para mim, é um orgulho estar de volta".

Encantador, Hélio. Mas cuidado! Por aqui, muitos acusam-no de falso profeta e várias são as bestas que emergir-se-ão da terra para puxar vossos pés. Acredito em tua pureza, capacidade e dedicação. Contudo, o numero dessas (bestas) é como a areia do mar e pode dificultar, e muito, a bênção daquilo que testificas.

8 comentários:

Vinícius disse...

eu fico realmente encabulado com a sua capacidade de escrever com excelência. A coerência do texto, o quanto vc é fiel ao tema e as idéias por vc mesma propostas. MEU ORGULHO!!! Eu sou seu fã número UM!!!

sobre o anjo sem asa...
só resta esperar...
afinal está escrito que nos últimos dias iriam se levantar muitos falsos profetas...

mas seria ótimo se dependesse apenas do Hélio pro Goiás sair dessa...
pena que não é bem assim...

BOA SORTE VERDÃO!!!

felipe disse...

Até que enfim alguém para colocar ordem nessa bagunça chamada Goiás Esporte Clube.

abraço monara!

Jean disse...

pelo menos deu pra perceber que os jogadores ficaram extremamente felizes com a chegada do Hélio... oq me faz crer que havia sim um boicote por parte dos jogadores...

Cláudio disse...

EU ACREDITO!!!

Paulo disse...

Tem jeito não...
ninguém consegue tirar o fraco do goiás dessa situação não!!!

uieaiiaeuhiuaheihaieuhiuaeh

Vamo que vamo VILAAAAAA!!!

Flávio disse...

Excelente texto Monara Marques...

vc tem feito um excelente trabalho para o jornalismo esportivo goiano...
tem muitos jornalistas por ae precisando seguir o seu exemplo...

Grande Abraço!

Larissa Rodrigues disse...

sem palavras monara!
sem palavras!!!!!!

adorei a analogia...
adorei a qualidade do texto!

cada dia vc m surpreende mais

por favor, n deixe d escrever pra gnt!

espero realemente que o "anjo" ressucite os mortos
se bem q só deus pode fazer milagres
entao... duvido que o anjo hélio faça muita coisa

abraços!

Luiz Cláudio disse...

Ao olhar para os outros 19 times do Campeonato Brasileiro da Série A de 2008, fico com uma pergunta que não se cala: "Como o Goiás se mantém na Série A?"

Vou tentar não seguir ordem nenhuma, e nem me preocupar em revisar o texto para não ficar com receio de colocar nada neste blog.

Já tive oportunidade de cobrir outros times da Série A, em seus estados de origem. (RJ/SP). Não dá para achar uma lógica "explicativa" para a permanência dele na elite da competição.

Acredito que o Goiás, NÃO conseguirá fazer uma boa aprensentação neste brasileiro. E não adianta os jogadores tentar mostrar o contrário. Eles são limitados. Não tem condicionamento físico para se impor diante de uma equipe com títulos em Libertadores, Copa do Brasil, Campeonato Brasileiro, Título Mundial, etc.

Não porque eles não queiram, mas todas as pessoas possuem limitações. E estas limitações são presentes em cada um de nós.

A pergunta que eu faço é a seguinte: O Goiás quer apenas competir, porque mais importante que ganhar é competir? Acho que não. Ele tenta, tenta, tenta, tenta, tenta...

Porque não nunca vem nomes de pesos para o Goiás? Porque nas equipes vencedoras os elencos não se repetem quando passam por algum fracasso? Alguém arisca responder?

Peço desculpas aos torcedores esmeraldinos. Mas peço que minhas palavras sejam de estímulo para uma reinvidicação de verdade.

"Meus amigos não pensem em um Goiás vencedor em 2008. Não esperem vitórias consagradoras. Não sonhem com jogadores artilheiros. Isso não acontecerá. Há tempos atrás isso seria fácil. Mas o futebol se profissionalizou, mas a forma de trabalho do Goiás não".

Uma diretoria que permite o ex-diretor de futebol Arthur Neto proibir a entrada de um jornalista na sede do clube para fazer a cobertura do time, em função de uma notícia veiculada na imprensa nacional. Isso apenas porque o referido repórter representa a "tal" imprensa em Goiás. Dá para acreditar com o que a diretoria se preocupa? Com notícias "mentirosas" da má atuação do Goiás no brasileiro 2008.

A diretoria atual do Goiás, se querem que Raimundo Queiroz seja esquecido, tem que ser melhores do que ele. Tem que ter mais do que um 4º lugar em brasileiros. Se querem se lembrados na história do Goiás, poderiam ter ouvido as palavras de Neto, ex-jogador do Corinthians, em palestra em Goiânia. Profissionalizar. Essa é a palavra."

Um colega me desafiou a dar uma volta, totalmente nú em Goiânia, caso o Goiás consiga repetir a 4ª colocação ou ficar em colocação melhor. Ele com certeza, estará tranquilo, pois em analogia rápida veremos que isso não acontecerá nunca mais. Pelo menos não por agora.

Hélio "Anjo"?!? Se eu não tenho boa memória, ele já rebaixou 5 (cinco) equipes. A culpa não é dele. Mas um time almeja o que se o técnico que eles trazem não tem bagagem para se impor diante de outros consagrados por vitórias.

Querem o que? Dar desculpas de que tentaram?

Dos times campeões, quais tiveram seus técnicos envolvidos em rebaixamento de times? E quais destes times tem jogadores com contratos tão longos. De 5, 6, 8, 10 e 15 anos? Panela, isso não existe. É assunto definitivamente encerrado dentro dos muros do Goiás.

Agora querem saber quem realmente sofre pelo Goiás? O torcedor? Errado!
Os jogadores que estão treinando em separado, dividindo vestiários com as categorias de base do Goiás, no CT Parque Anhnaguera.

Esses sim, sofrem por verem o time no estado atual. E quando os "profissionais" estão no CT, eles não podem dividir o mesmo espaço. Mas são solidariamente comprimentados por alguns desses "profissionais" que estão defendendo o time do Goiás.

Esses treinamentos em separado, é um verdadeiro castigo dado aos jogadores pelo Goiás.

Pai que castiga o filho, não pode ser reconhecido como bom pai.

Aos torcedores, fica um pedido vão até o CT do Parque Anhanguera, e prestigiem os jogadores que estão treinando em separado. Vão até lá, aplaudam, pois estes sofrem duas ou três vezes mais do que os que estão na ativa. E para quem pensa que o salário em dia basta. Perguntem para eles se isso é o mais importante agora. Eu estarei lá, dando uma solitária salva de palmas para os heróis que sofrem sozinhos por trás dos portões que dividem os campos no CT.

Em time grande, aqueles que não mais são interessantes são dispensados. O Goiás mais do que ninguém sabe disso. Pois contratam estes "bastardos".

Quer ser campeão? Tem que ter atitude campeã.

Um passado de alegrias, nunca ficará esquecido por um presente de tristezas...